• Renascidos em Pentecostes

Ano de São José


Ano de São José

“Ela dará à luz um filho, e você deverá dar-lhe o nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo dos seus pecados. Tudo isso aconteceu para que se cumprisse o que o Senhor dissera pelo profeta: ’A virgem ficará grávida e dará à luz um filho, e o chamarão Emanuel, que significa "Deus conosco”. Ao acordar, José fez o que o anjo do Senhor lhe tinha ordenado e recebeu Maria como sua esposa”(Mateus1: 21-24).


“Pai amado, pai na ternura, na obediência e no acolhimento; pai com coragem criativa, trabalhador, sempre na sombra.” Foi com estas que o Papa Francisco descreveu São José. E o fez na Carta apostólica “Patris Corde – Com coração de Pai”, publicada no dia 8 de dezembro de 2020, por ocasião dos 150 anos da declaração do Esposo de Maria como Padroeiro da Igreja Católica e anunciou o ano celebrativo a São José.

E na história de Jesus, quem foi José? Qual seu papel? O próprio Papa Francisco explicou, em carta pastoral, sua motivação: “Como diz Jesus, gostaria que a boca expressasse o que transborda no coração, para compartilhar com vocês algumas reflexões pessoais sobre essa extraordinária figura, tão próxima à condição humana e a cada um de nós”, conta o Papa, grande devoto de São José.

São bem poucas as informações sobre a vida de José. Sabe-se que ele era um descendente legitimo da casa do rei Davi. Isso fica claro na genealogia de Jesus apresentada em Mateus 1. “Jacó gerou a José, marido de Maria, da qual nasceu Jesus, que se chama Cristo” (Mateus 1:16).


José era um carpinteiro que vivia em Nazaré, uma pequena aldeia na região da baixa Galileia. Ele já aparece no relato bíblico como o noivo de Maria, uma virgem que morava no mesmo vilarejo.


José recebe do anjo o aviso de que não deve rejeitar Maria que estava grávida antes do casamento. Ele não pretendia acusá-la publicamente, mas a repudiaria em segredo. “Com obediência, ele superou o seu drama e salvou Maria”, comenta o Papa, aceitando-a sem colocar nenhuma condição prévia. Ele acreditou plenamente no seu Senhor.

Já no segundo sonho, o anjo manda José fugir com Maria e Jesus para o Egito, pois o rei Herodes buscava assassinar o Menino, a quem temia ser uma ameaça ao seu poder. “José não hesitou em obedecer, sem fazer perguntas sobre as dificuldades que encontraria”, observa o Papa.

No terceiro sonho, o anjo avisou a José sobre o momento certo de voltar a Israel. E, no quarto sonho, deu indicação de irem para a Galileia, quando foram viver em Nazaré. Assim como Maria, diz o Papa, São José acolhe com plena confiança a vontade de Deus. “Na escola de José, Jesus aprendeu a fazer a vontade do Pai”, inclusive em sua “morte de Cruz”, associa. Ensina – nos a ter fé no Senhor, crê em que tudo Ele pode operar por meio dos nossos medos, nossas fragilidades, das nossas fraquezas.

José recebeu o apelativo de “castíssimo”, que é “o contrário da posse”. Ele, como efeito, “soube amar de maneira extraordinariamente livre”, “soube descentralizar-se” para colocar no centro da sua vida Jesus e Maria. A sua felicidade está no “dom de si mesmo”: nunca frustrado e sempre confiante, José permanece em silêncio, sem lamentações, mas realizando “gestos concretos de confiança”.

A sua figura, portanto, é exemplar, evidencia o Papa, num mundo que “precisa de pais e rejeita os dominadores”, rejeita quem confunde “autoridade com autoritarismo, serviço com servilismo, confronto com opressão, caridade com assistencialismo, força com destruição”. José assume a paternidade legal de Jesus, sem medo, atendendo à vontade de Deus.

Com o exemplo de honestidade em sua profissão como carpinteiro, o Esposo de Maria nos ensina também “o valor, a dignidade e a alegria” de “comer o pão fruto do próprio trabalho” (Papa Francisco). “É necessário tomar renovada a consciência do significado do trabalho que dignifica”, escreve Francisco, que “torna-se participação na própria obra da salvação” e “oportunidade de realização” para si mesmo e para a própria família, “núcleo originário da sociedade. Nenhum jovem, nenhuma pessoa, nenhuma família sem trabalho!”

Depois de Maria, São José é o Santo a quem os papas mais se dedicaram em seus escritos. É o patrono da Igreja católica, “padroeiro dos trabalhadores”, algo já marcado pelo Papa Leão XIII. E São João Paulo II o intitula como “Guardião do Redentor”. Como recorda o Papa Francisco, a devoção popular aclama José, ainda, como “padroeiro da boa morte”.

No período de 8 de dezembro de 2020 a 8 de dezembro de 2021, elevamos nossas orações a São José , o único homem que amou Jesus com coração de pai. “Deus confia neste homem”, afirma Francisco e quer que nos dirijamos a ele, pois “a Igreja é a extensão do Corpo de Cristo na história”.

Karla Regina Martins Moreira, professora da Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal, formada em Pedagogia – Séries Iniciais pela Universidade Católica de Brasília, pós-graduada em Neuropsicopedagogia Clínica pela Faculdade CENSUPEG em Santa Catarina, serva na Pastoral da MESCE da Paróquia São Pedro).





239 views0 comments

Recent Posts

See All
Siga no Twitter
Assista no Youtube
Curta no Facebook

Por RK Estrategia Digital © renascidosempentecostes.com.br 2009-2020 Renascidos em Pentecostes - Todos os direitos reservados 

FUNDAÇÃO SÃO PEDRO CNPJ: 10.905.580/0001-10 - QSD 25 ÁREA ESPECIAL - TAGUATINGA SUL- DF

Produtos comprado no portal são entregues em até 8 dias úteis